A aventura de comprar equipamentos novos noutros países

No comments yet

Sendo a Main Pulse uma empresa multimarca, que trabalha com equipamentos de diversas origens, é frequentemente contactada para solucionar situações bastante complicadas.

Efectuar compras na internet e noutros países é rápido e cómodo, mas também apresenta riscos acrescidos. Pode ser mais interessante escolher marcas diferentes e equipamentos mais baratos, mas os cuidados a ter devem ser redobrados para não sair lesado do negócio.

É suposto os sites de venda de produtos e serviços online exibirem de forma clara as diferentes formas de pagamento, as condições ao abrigo do direito de arrependimento e informações quanto ao modo de procedimento de reembolsos e trocas. A verdade é que muitas das vezes aos valores apresentados acrescem despesas adicionais e os prazos de entrega ou de execução dos serviços adquiridos dificilmente são cumpridos.

Mas o pesadelo pode começar quando o equipamento chega

É necessário assemblagem (montagem). Quem a vai executar? Vai querer correr o risco de danificar um equipamento que ainda não foi testado?

Se tem algum problema, a empresa que o comercializou está a milhares de quilómetros de distância. Numa primeira abordagem até parece estar tudo OK, mas e se o problema for mais do que verificar o cabo de corrente, ou eventualmente trocar um fusível! A empresa pedirá para que o equipamento seja devolvido, para que o possam analisar.

Antes de pensar no envio para “o tal” país que terá custos enormes (ex: passadeira) tentará:

1 – Recorrer a um amigo que até tem jeito para resolver estas situações. Este ou lhe diz que o melhor é chamar uma empresa especializada ou então provavelmente só agravará a situação danificando o equipamento de uma forma que a garantia ficará inviabilizada.
2 – Recorrer a uma empresa local de reparação de equipamentos eléctricos. Poderá ser uma solução, mas o resultado será mais ou menos o mesmo, com uma grande diferença – a empresa saberá até onde poderá testar sem danificar o equipamento.
3 – Recorrer a uma empresa especializada como a Main Pulse, que tratará do envolvimento necessário para que o equipamento possa ser testado e as peças com deficiência devidamente identificadas e substituídas ao abrigo da garantia existente.

 Mas, e se a empresa especializada não tiver autorização da empresa que comercializou o equipamento, para o testar?

Então restam apenas 2 opções ao cliente: assumir que pode perder a garantia, e autorizar a empresa especializada a testar, e encontrar o problema ou enviar o equipamento para a origem, sendo de ressalvar que normalmente nestas situações todos os custos de envio são da responsabilidade do cliente.

E QUANDO FOR NECESSÁRIA UMA MANUTENÇÃO?

Está disposto a passar por tudo novamente… Ou por uma situação realmente ainda mais complicada!


Leave a Reply